segunda-feira, 12 de junho de 2017

Não é velado.
Meu corpo não é segredo.
O corpo não escondido, não camuflado.
O corpo do cheiro forte.
De pele gasta e do gosto bom.

segunda-feira, 22 de maio de 2017

Uma pausa
Um poema 
E eu te amo
Com gosto
Com calma

Espaço

Recife
21/05/2017

terça-feira, 29 de dezembro de 2015

Vida

Cada miserável passo me rasga a pele
Como podemos, nós humanos, suportar a jornada?
A solitária e cruel jornada.
Sempre ambígua, sempre tão complexa.
Estamos em intensa e contínua contradição.
Forjamos encontros e conversas sinceras.
Relatar a carne e sentir o cheiro. 
Buscamos o olhar, o caminho, o fim, a luz?
E a existência? Sentido? Resposta? 
Somos eco, somos terra, somos morte.
Somos o ciclo e somente isso.

LMD

O caminho.

A estrada é sempre solitária.
A carência sufoca o outo e nos resseca a alma.
O que está dentro não se traduz.
O estômago contrai e os olhos já não são maré.
De uma hora para outra sou como água parada.

Recife
24/12/2015

domingo, 31 de maio de 2015

Domingo

A tristeza escorre do peito e só isso importa.
Fecha os olhos e o coração não para. Bate porque não se acalma.
Busca os caminhos seguros. Tenta aprender a ser forte e tranquilo.
Mas se dobra e se perde em meio as suas limitações.
Como relógio, ele repete as passadas. Haverá outro caminho.
Mas um caminho que se afaste da raiva, do rancor e do sentimento de solidão.
Se expressa através do caminho, do percurso, das falhas, dos lutos.


Recife.
31/05/2015
Luma..